Recife recebe encontro de vinhos neste sábado

Imagem: Divulgação

LOGO.png

Sábado (20) é dia de o Recife receber, pela primeira vez, um dos principais eventos de vinhos do Brasil. O encontro já percorreu cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, São José dos Campos, entre outras. Aqui, o evento será no hotel Courtyard by Marriott, na Avenida Eng. Domingos Ferreira, 4661, em Boa Viagem. Os ingressos para o evento custam R$ 60 e já estão à venda no site: http://www.encontrodevinhos.com.br.

O público poderá provar vinhos nacionais e estrangeiros de expositores vindos diretamente de São Paulo e também de distribuidoras e importadores locais. Durante a feira, haverá venda de rótulos a preços promocionais, música e comidinhas num clima descontraído, mesclando diversão e aprendizado. Um dos pontos altos do Encontro de Vinhos é o Top 5, onde uma série de rótulos da exposição na feira são avaliados por especialistas, que escolherão os cinco melhores entre eles. O resultado é divulgado durante o evento.

Recife recebe Feira de Vinho Variedade

Começa amanhã a Feira de Vinho Variedade. O evento, que vai até o sábado (24), será realizado das 16h às 22h, no piso L3 do RioMar Shopping, e reunirá importadores e distribuidores que atuam no mercado local, nacional e internacional. Serão mais de 200 rótulos de vinhos e espumantes que o público terá a oportunidade de provar e, se desejar, ainda levar para casa por preços especiais. Os ingressos individuais, por dia de evento, custam R$ 70.

Entre os expositores estão:
Atacamax | Rio Sol Vinhos
Bodega Premium
Campo da Serra Queijos Especiais
Decanter Importadora
Dom Vinho | Bodegas Selecionadores de Vinhos
Perini RioMar
Prime Representações | Schott Zwiesel | Staub | Vista Alegre | Zwilling
Ridouro Importadora | Quinta Maria Izabel
RM Distribuidora | Adega Alentejana | AS3 Vinhos | Miolo Wine Group | Interfood | Olive
Lacomex | Chandon | Trinacria Importadora | Villa Água Mineral
Licínio Dias Importação | Alta Vista Wines | Ramos Pinto | Vadio Bairrada
Veloz Distribuição | Casa Flora Importadora | Porto a Porto Importadora
Zahil Importadora

A programação ainda inclui palestras, lançamentos e exposições. A realização é da Accriety Eventos & Treinamentos, com apoio da DeVry FBV, Engefrio, Engenho Casa Forte, Finger Móveis Planejados, Liderança Terceirização, Meet Chef e Telamais Equipamentos.

Mais informações:
http://www.facebook.com/variedadefeiradevinhos

Cervejas especiais e chorinho no Pina

Por Eliza Brito | Imagens: Cacimba de Letras

07.jpg

Alexandre Araújo e Anderson Lopes

Fazia tempo que não visitava a Galeria Joana D´Arc, no Pina. Fui na semana passada e me surpreendi com a quantidade de novos estabelecimentos, que mudaram a cara e o público do lugar. Entre as novidades, destaque para o Empório Nova Raiz, uma loja e distribuidora de cervejas especiais.

IMG_20160809_170726590.jpg

Interior da loja

O empreendimento dos sócios Anderson Lopes e Alexandre Araújo começou em novembro do ano passado, depois que eles compraram a loja de um cliente, para o qual eram distribuidores. Focado na cultura cervejeira, o empório se tornou uma referência de cervejas especiais na cidade. O público varia de lojas, já que o empório continua com distribuidor, pessoas que vão só comprar, a clientes que vão escolher uma cerveja diferente e terminam ficando e bebendo nas mesinhas de madeira do lugar.

IMG_20160809_165946425.jpg

Deus

O Empório Nova Raiz não tem cozinha, mas os restaurantes da galeria Anjo Solto e o Haus servem suas opções na loja e isso é um prato cheio para que gosta de boa cerveja, boa comida e um lugar agradável. O ambiente é descolado, com decoração toda voltada para o mundo da cerveja. Falando da bebida, as opções custam de R$ 12,90 a R$ 70, com exceção da especialíssima Deus, uma champaignoise que é feita na Bélgica e segue para a França para ser engarrafada como champanhe e repousar nas caves. A unidade custa R$ 280 o que, acredite, não é caro para o valor produto.

IMG_20160809_170028432.jpg

Irmãos Ferraro

Entre as tantas opções de cervejas, Anderson destaca as preciosidades gaúchas dos Irmãos Ferraro e revela que as mais vendidas são as também gaúchas Solerun. Mas os rótulos são inúmeros e a vontade é de provar tudo. E, para quem gosta de música, o Empório Nova Raiz oferece chorinho aos sábados, a cada quinze dias. O próximo será dia 27, então, se ainda não conhece a loja, aproveita para unir o útil ao agradável.

Serviço
Empório Nova Raiz
Galeria Joana D´Arc: Avenida Herculano Bandeira, 513, Pina – Recife/PE
Fones: (81) 3033.2090 / 98128.0370 (whatshapp)
Horário de funcionamento: segundas e terças, das 14h às 20h / quartas a sábados, das 14h até a meia noite / domingos: das 18h até a meia noite

Ekaüt traz cervejas artesanais de alta qualidade para o mercado local

Por Eliza Brito | Imagens: Divulgação/Ekäut

IMG_9941.JPG

Diogo e André

Um evento descontraído, saboroso e cheio de personalidade. O lançamento da cervejaria Ekäut, dos empresários André Turton e Diogo Chiaradia, na última quinta-feira (14), no recém inaugurado bar Beerdock, no bairro da Madalena, representou bem a proposta da nova marca de cervejas artesanais pernambucana. Os chopes começam a ser vendidos em bares especializados e a ideia é que a partir da segunda quinzena de fevereiro já sejam disponibilizadas as garrafas.

“Nossa proposta pode ser representada pela frase “drink local, taste global” (beba local com sabor global – tradução livre), explicou André. Ele e Diogo entraram em contato com o mundo das cervejas artesanais quando moraram no Canadá, em 2007, e sentiam falta da variedade e, principalmente, da qualidade das cervejas quando voltaram para o Brasil. Entre compras pela internet e experiências caseiras, os amigos resolveram fundar a própria marca de cervejas artesanais. Estudaram os mercados europeu e americano, visitaram fábricas, participaram de congressos e, desde o segundo semestre de 2014, iniciaram o planejamento da Ekäut.

IMG_9991.JPG

Bar lotado no lançamento

Entram no mercado com uma lager e uma pilsener inspiradas em receitas alemães e tchecas e uma Indian Pale Ale (IPA), todas produzidas com insumos da mais alta qualidade. A fábrica está localizada na Guabiraba e sei que ainda vem muita coisa boa pela frente. Quando questionados sobre a concorrência com cervejarias artesanais menores os meninos não hesitaram em comemorar essa fase do mercado. “Disseminar a cultura cervejeira é nossa maior ideia. O cervejeiro caseiro tem um papel fundamental nesse trabalho”, afirmou Diogo. E as cervejas? Provem e mandem os comentários. Eu recomendo.

Imperdíveis em Belém do Pará

Por Eliza Brito | Imagens: Cacimba de Letras

20151105_164049.jpg

Casquinho com uma bola de paraense e copinho com duas bolas: carimbó e bacuri

O restaurante Lá em Casa é, sem dúvida, uma das atrações imperdíveis da Estação das Docas, mas outras duas opções gastronômicas desse ponto turístico de Belém merecem igual atenção. São elas: a sorveteria Cairu e a cervejaria Amazon Beer.

20151107_134125.jpg

Cerveja Forest Pilsen

Espalhada pela cidade e nos seus arredores, a sorveteria Cairu é uma pérola da capital. Recheada de opções cremosas, o maior diferencial do lugar é a aposta nas frutas típicas, como açaí, bacaba (parece açaí), uxi (parece umbu), cupuaçu, bacuri, entre outras, e as combinações feitas com as frutas, como o delicioso paraense, feito com açaí e farinha de tapioca e o irresistível carimbó, sabor que consiste num creme de cupuaçu com castanha-do-Pará. O sorvete é muito saboroso, o atendimento foi excelente em todas as unidades que fomos e o preço não é salgado, levando em consideração que a uma bola deles corresponde a duas bolas da nossa Fri-Sabor e custa R$ 7. Fomos na unidade da estação das Docas dois dias e ainda fomos na loja da Ilha do Mosqueiro, para vocês terem uma ideia da delícia que é esse sorvete.

20151107_135030.jpg

Porção de pastel de tacacá

Já a Amazon Beer fica apenas na Estação das Docas e é uma cervejaria artesanal, com produção local e que pode ser conferida nos galpões do cais, na Estação das Docas. Pedimos o pastel de tacacá [R$ 31], que vem com 20 unidades e é uma delícia. O tacacá é o prato típico feito com camarão, jambu e tucupi, o molho feito com a mandioca. Para acompanhar, fui na refrescante e leve cerveja Forest Pilsen, que é o carro-chefe deles. Além de produzirem cervejas artesanais e deliciosas, eles sugerem, no próprio cardápio, sugestões de harmonização com cada tipo de cerveja do lugar. O atendimento é que não foi tão atencioso como na maioria dos lugares, mas também não foi ruim. Recomendo.

.
Serviço
Cairu
http://www.sorveteriacairu.com.br
Amazon Beer
http://www.amazonbeer.com.br

Curso de vinhos na Casa dos Frios

????????????????????????????????????

A Casa dos Frios e a escola de vinhos Enoclass promovem, a partir da próxima terça-feira (10/11), o seu segundo Curso de Iniciação ao Vinho. As atividades serão realizadas nos dias 10, 17, 24 de novembro e 1 de dezembro, sempre às 19h, na unidade da Casa dos Frios das Graças. As aulas serão ministradas pelo enólogo Maurício Dias.

Temas como vinha e a uva, o clima e o vinho, denominação de origem, o trabalho do viticultor, produção de vinhos de mesa e espumantes, diferenças entre enólogos, sommelier e enófilo, dicas de compras e harmonização estão entre os tópicos que serão abordados nas 12 horas do curso.

Entre os títulos a serem degustados durante os encontros, estão Louis Roederer Brut Premier, Puro da Quinta da Touriga Chã Douro, Malhadinha Monte da Peceguina, Jean Guiller Gewurztraminer , Domaine Tinel Blondelet Sancerre Blanc, numa cartela de vinte vinhos. O investimento é de R$ 400 e as vagas são limitadas. Inscrições e informações: (81) 99815.7777 / titodias@icloud.com.

Último dia de vinícolas em Mendonça

Por Eliza Brito | Imagens: Cacimba de Letras

DSC01147

Nós na Casarena com os Andes de fundo

O nosso segundo dia de vinícolas, em Mendonça, foi mais calmo do que o primeiro. Marquei a visita a Casarena pela manhã e um almoço harmonizado na Domínio del Plata depois do meio dia. Fizemos tudo com calma e ainda deu tempo de passear pela cidade de Mendonça, que é bastante agradável e dá para ser conhecida praticamente toda a pé. Foi um dia delicioso.

IMG-20150815-WA0001

Tomando vinho nos tanques de fermentação da Casarena

Quis conhecer a Casarena por indicação de um amigo de minha mãe, que foi a várias vinícolas em Mendonça e disse que o melhor passeio guiado foi o de lá. E, mesmo a bodega não sendo a mais antiga, nem a mais famosa, o passeio vale a pena. Fundada em 2007, depois de restaurada a bodega centenária que havia sido abandonada pelos antigos proprietários italianos, a vinícola oferece bons vinhos a preços acessíveis, tanto que comprei os vinhos para presentear por lá. E o passeio é realmente diferente.

20150815_125243

Entrada do almoço harmonizado na Domínio del Plata

Fomos recebidos por uma guia muito simpática, que, além de nos levar nos setores que todos levam: vinhedos, tanques de fermentação e barricas de envelhecimento, nos deu a oportunidade de degustarmos os vinhos ainda no processo de fermentação para compararmos com o vinho pronto. Também nos deu uma aula sobre as diferentes barricas (francesa, americana e romena) e nos deixou sentir cada uma delas. A visita custou 200 pesos por pessoa [R$ 57].

20150815_130635

Prato principal

O almoço harmonizado na Domínio del Plata também foi muito agradável, apesar de ter me deixado meio enjoada depois, mas acredito que não foi só por causa dele, já que bebemos muitos vinhos dois dias seguidos e já estávamos a oito dias viajando e com uma alimentação bem diferente da minha de rotina. Minha escolha pela bodega foi devido à visita da enóloga Susana Balbo, dona da vinícola, ao Recife, da qual falei por aqui.

20150815_133853

Sobremesa

Apostei na harmonização com os vinhos da linha Ben Marco, pelo custo-benefício mesmo. O menu completo (entrada, prato principal e sobremesa) harmonizado, com café, saia a 350 pesos por pessoa [R$ 100]. Os vinhos foram todos tintos, tirando o late harvest para harmonizar com a sobremesa, que foi o único que não gostei. Os pratos estavam gostosos, com destaque para a sopa de cebola, que foi uma das melhores que comi na vida. O risoto estava um pouco pesado e a sobremesa com doce de leite era leve e saborosa. Pelas nossas experiências, me pareceu Impossível não amar Mendonça.

.
Serviço
Casarena
http://casarena.com/
Domínio del Plata
http://www.susanabalbowines.com.ar/

Primeiro dia de vinícolas em Mendonça

Por Eliza Brito | Imagens: Cacimba de Letras

IMG-20150814-WA0018

Caminho entre as vinícolas

Mendonça era o destino mais esperado da viagem por mim e eu não me decepcionei com o lugar. Além da cidade pacata e agradável, Mendonça conta com boa gastronomia e muitas vinícolas de qualidade ao seu redor. É, inclusive, o único lugar do mundo que conta com uma vinícola no próprio aeroporto. Ficamos quatro dias por lá e dois deles foram destinados aos vinhos. No primeiro dia, fizemos o passeio guiado na Catena Zapata e na Pulenta Estate. E, no segundo dia, fizemos o passeio guiado na Casarena e almoçamos na Domínio Del Plata. Todas as vinícolas que visitamos ficam na região de Luján de Cuyo, mas há bodegas em Agrelo e em Maipú.

DSC010681

Catena Zapata

Já havia reservado os passeios nas vinícolas por e-mail, no Brasil, e fechamos com o taxista que pegamos no aeroporto para fazer o nosso transporte nos dois dias. Pagamos 800 pesos, o equivalente a R$ 228 reais. Não nos arrependemos porque ele foi pontual, profissional e nos deu boas dicas. Mas vale ressaltar que há a possibilidade de fazer passeios com ônibus de turismo e os hotéis também oferecem pacotes.

DSC010551

Na visita guiada da Catena Zapata

A Catena Zapata foi nossa primeira visita e me pareceu parada obrigatória. Grandiosa, com sua construção em forma de pirâmide Maia, a vinícola é sofisticada e cheia de história. Fundada em 1902, pelo italiano Nicolás Catena, nunca saiu das mãos da família, que investe em estudo e tecnologia. O passeio guiado que fizemos custou 200 pesos por pessoa [R$ 57] e contou com um passeio pela linda bodega, degustação de quatro vinhos e a parada na loja da vinícola. Adorei os vinhos e levei dois pra casa, mas eles não são os mais baratos da região.

DSC011131

Na visita guiada da Pulenta Estate

Pulenta Estate foi a segunda vinícola do primeiro dia e eu adorei o passeio. Criada em 2002, pelos irmãos Hugo e Eduardo, filhos de Antonio Pulenta, que era um dos donos da famosa e tradicional Trapiche, a bodega é mais moderna e possui um passeio guiado bem descontraído, com visita a vinícola, degustação e compras. Os vinhos me pareceram maravilhosos, tanto que comprei um da linha Premium, da uva Cabernet Franc, que estava realmente caro, mas que merecia o investimento por ser bastante peculiar, com aroma de pimentão e um final de pimenta na boca, uma coisa louco. Nosso passeio guiado custou 150 pesos por pessoa [R$ 42,80].

DSC010961

Sala de degustação da Pulenta Estate

Entre uma visita guiada e outra, almoçamos numa bodega fantástica por indicação do nosso taxista e foi um dos almoços mais incríveis que já fiz na vida. Mas isso é assunto para o próximo post.

Serviço

Catena Zapata
http://www.catenawines.com/pt/

Pulenta Estate
http://www.pulentaestate.com/

Downtown Pier para uma noite animada

Por Eliza Brito | Imagens: Cacimba de Letras

IMG_3654

Sanduíche de frango

Tinha lido e escutado muita crítica negativa ao Downtown Pier, mas me surpreendi positivamente com o lugar. Localizado no Cais do Porto, no Recife Antigo, o bar conta com um ambiente amplo, com mesas no espaço interno climatizado e no espaço externo ao ar livre. A música ambiente lembra as baladas da boate Downtown, cara do final da minha adolescência e o atendimento, mesmo com o bar lotado, foi ótimo.

IMG_3656

Caipifruta de abacaxi, morango e manjericão

Pedi o sanduíche de frango [R$ 28,90], que vinha acompanhado por batata frita, e gostei do meu jantar. Dividi o prato com Daniel e me senti saciada com a minha metade, mas o melhor da noite foram as caipifrutas. Pedi uma de morango, uva e hortelã [R$ 18,90] que achei deliciosa, mas como terminei ficando muito tempo no bar, porque estava comemorando o aniversário de duas amigas queridas, terminei pedindo outra, de abacaxi, morango e manjericão [R$ 18,90] que estava ainda melhor. O gostinho cítrico do abacaxi amenizado pelo doce do morango fez do drink uma das melhores caipifrutas que já tomei.

IMG_3676

Parte dos amigos no interior do bar

Outro ponto positivo é que há a possibilidade de contar com cartões individuais de consumo, o que ajuda bastante no caso de uma mesa grande. E a climatização do bar também fez bonito, porque não senti calor como já aconteceu em outros bares do cais. Gostei de tudo, menos do valor salgado da conta.
Serviço
Downtonw Pier
Avenida Alfredo Lisboa, s/n, armazém 13, loja 3b, Bairro do Recife – Recife/PE
(81) 3424.6167
adm@downtownpier.com.br

Hora de degustar cervejas

Por Lucas Lima | Imagens: Cacimba de Letras

Bolo acompanhado por cerveja? Sim!

Bolo acompanhado por cerveja? Sim!

Existe a máxima de que cerveja tem que estar sempre estupidamente gelada. Para acompanhar, qualquer petisco e tudo certo. O importante é beber! Verdade? Não sempre, dizem os degustadores da bebida. Com mais e mais rótulos sendo lançados, com insumos diferentes e produtos que primam por sabor, textura e outras sensações, vem sendo criado um séquito de apreciadores do líquido que querem aproveitar o máximo da experiência, agregando comidinhas nessa jogada.

A Brasil Kirin, responsável pela fabricação da Devassa e da Baben Baden no Brasil, entre outras, nos convidou para uma degustação dos seus rótulos e comprovou, mais uma vez, que harmonização é palavra para ser usada também com as cervejas. A degustação ocorreu na Cervejaria Devassa, no Recife Antigo, com o acompanhamento do sommelier de cervejas Samuel Hoshino.

Loira e bolinho de arroz

Loira e bolinho de arroz

Para falar da experiência, vamos começar pelo final: cerveja com doce! A degustação foi feita com a Devassa Negra e um bolo de chocolate. Como o nome do líquido já diz, a breja tem coloração escura, malte tostado; é cremosa e encorpada. O sabor é forte e, para o meu paladar, “trava” um pouco se for bebida sozinha. Juntamente com o bolo, corta um pouco do travor da cerveja e o doce da sobremesa, tornando uma combinação interessante.

Camarão empanado com a Ruiva

Camarão empanado com a Ruiva

Voltando ao começo, falemos da Loira, cerveja pilsen, leve, a mais “normal” do menu. Mas isso não significa que as combinações devem ser simples. Como ela leva cereal de arroz, a harmonização foi feita com um petisco preparado com o mesmo ingrediente. A união das semelhanças, aliás, foi uma das dicas do sommelier de cerveja: se a bebida tem um quê de defumada, cai bem com algo defumado; se o teor alcoólico for alto, provavelmente cai bem com comidas apimentadas ou mais gordurosas.

Macaxeira, carne seca e a Ruiva

Macaxeira, carne seca e a Ruiva

Com a Sarará, a harmonização foi com um camarão empanado com molho de salsa; e a Ruiva (coloração mais escura, malte mais forte) veio acompanhada de mandioca com carne seca. Todos os pratos estão disponíveis na Cervejaria Devassa, para quem quiser tirar a prova. E, claro, bom lembrar: beba com moderação e volte de táxi para casa!

Serviço
Cervejaria Devassa
Av. Alfredo Lisboa, S/N, armazém 13, loja 1B, Recife Antigo – Recife/PE
Fone: (81) 3224.7608
www.facebook.com/DevassaRecife